18Julho2019

                                                                                                                                                                                                                              ÁREA RESTRITA | DIRETORIA

Você está aqui: Principal

Artigos

cabec boletim laranja site

Palavras da Presidente

marisaSobre Marisa Decat de Moura

A Diretoria do biênio 2017-2019 inicia seu trabalho de gestão da SBPH vivendo uma situação bastante difícil: o falecimento da nossa querida Marisa Decat de Moura, em 14 de dezembro de 2017. Idealizadora, fundadora e sempre dedicada à SBPH. Ela nos faz falta

Mas, revisitar o percurso de sua obra e falar sobre Marisa neste momento nos traz o conforto de comprovar a grandiosidade do legado que ela nos deixa e da sua eterna e indelével presença na história e no desenvolvimento da Psicologia e da Psicanálise no hospital. Sua dedicação à psicologia e à clínica psicanalítica no hospital e a transmissão de sua experiência são marcos fundamentais no desenvolvimento da identidade, do saber e do fazer do psicólogo e do psicanalista no contexto hospitalar.

O seu tempo da prática da psicologia e da psicanálise no hospital iniciou-se em 1978 , com a criação da Clínica de Psicologia e Psicanálise no Hospital Mater Dei de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O título de um de seus artigos - “Um lugar para o sujeito a partir de diferentes práticas discursivas” - nos revela o que seria o paradigma do seu pensamento sobre a presença do psicanalista no contexto hospitalar. Ela nos conta no livro Psicanálise e Hospital (1996) que tudo começou com aulas no curso para os “casais grávidos” e depois o trabalho estendeu-se ao atendimento nas Unidades de Terapia Intensiva – UTI, adulto e infantil, e ao atendimento a pacientes e familiares das várias clínicas. E, também desde este primeiro momento havia o trabalho de transmissão da psicanálise através de cursos permanentes para os residentes e acadêmicos de medicina, onde se debatiam questões relacionadas à prática médica e cursos de “Formação Permanente”, sobre temas pertinentes à questão do sujeito na prática dos profissionais da área da saúde. Além dos cursos de Formação em Psicanálise e Hospital, organizou cinco edições do “Fórum Internacional Psicanálise e Hospital”, que se realizaram em Belo Horizonte e congregaram psicanalistas e psicólogos do Brasil e da França. Assim, desde o começo havia o comprometimento com a prática psicanalítica junto ao sujeito do contexto hospitalar, o desenvolvimento da teoria e sua transmissão.

Pioneira na prática e na formalização teórica da prática psicanalítica no hospital geral no Brasil, busca um percurso “em direção a um “encontro “ da Psicanálise com a Medicina, de médicos e psicanalistas” , como ela sempre dizia. Inquieta e instigada pelo desafio de pensar sobre as relações entre a psicanálise e a medicina, tomou a frente nesta tarefa de espinhosas questões. Para pensar sobre o que sustentaria a prática do psicanalista neste contexto extra consultório compreende que tratar da questão do “lugar do analista” é fundamental. Apoia-se nas proposições de Lacan para falar sobre ”o lugar do analista no hospital como um lugar específico, que não é o de um técnico ou especialista, mas o de uma presença, responsável pela implicação da psicanálise e não da sua aplicação”. Alerta sobre o cuidado e a delicadeza necessários para não distorcer a psicanálise, mas relaxar o seu rigor. Assim, afirma “não se trata de dizer não às demandas, mas de responder com o desejo de analista”. O “lugar do analista” no hospital compreende a necessidade do psicanalista abrir mão de seu narcisismo e “se oferecer” diante da demanda inespecífica, onde ainda não há demanda dirigida ao analista” (Moura, 1996)

O empenho no projeto de publicação e formalização teórica da prática psicanalítica no hospital. concretizou-se em 1980 com a Revista Epistemo-Somática. Interessante salientar como ficou formulada a temática do periódico: “vários saberes sobre o corpo, onde cada um contribui a seu modo para pensar as possibilidades e impasses advindos da relação entre ciência e corpo”.

A partir de 1996 o projeto de publicações se engrandece com a organização do primeiro livro da série “Psicanálise e Hospital”. Em 1999, o segundo livro da série teve como tema “Psicanálise e Hospital: a criança e sua dor”. Em 2003, “Psicanálise e Hospital 3” tratará de temas sobre o “Tempo e morte: da urgência ao ato analítico”. Em 2005, os avanços tecnológicos e seu impacto na vida subjetiva e na medicina serão abordados nos temas do quarto livro “ Psicanálise e Hospital 4 – Novas versões do Pai: Reprodução assistida e UTI”. Em 2011, no livro ”Psicanálise e Hospital 5 – A responsabilidade da psicanálise diante da ciência médica”, o capítulo escrito por ela se intitula “O Psicanalista à Altura do seu Tempo? Respostas da Psicanálise ao Chamado Médico”, onde trazendo suas reflexões sobre as questões da sociedade em mutação, ela pondera que a resistência à Psicanálise que é uma realidade destes tempos, revela como fundamental o seu lugar. “Quanto mais houver a exclusão do sujeito, mais a Psicanálise se fará necessária”. As questões sobre a Psicanálise no novo espaço, o hospital, se reapresentam associadas às do novo tempo e do novo sujeito da contemporaneidade. No sexto livro “Oncologia – Clínica do Limite terapêutico? Psicanálise e Medicina” organizado em 2013, a série é renomeada “ Psicanálise e Medicina” reafirmando-se o seu propósito de interrogar-se, a partir da psicanálise, sobre a medicina e os efeitos do seu discurso sobre a subjetividade. A coletânea de artigos reunidos nesta obra falam do sujeito diante do limite do saber e dos procedimentos que curam.

Para os seus estudos do Mestrado busca a Université Louis Pasteur em Strasbourg, na França, em 2000. Orientada por Françoise Hurstel, realiza o estudo “Du Regard a L’Ecoute”. Organiza, a partir deste contato, uma parceria muito promissora com psicanalistas franceses, inserindo o Brasil como um dos seis países participantes e tornando-se responsável pela coordenação brasileira da pesquisa multicêntrica: La construction de l'identité aujourd'hui: construction psychique et psychopathologie de l'enfant dans les nouveaux liens familiaux et sociaux - CoPsyEnfant". Torna-se representante, no Brasil, e responsável pela parceria com a Université Louis Pasteur, pela co-realização de eventos periódicos . Em 2003 torna-se Membro e representante no Brasil da Federação Européia de Psicanálise - F.E.D.E.P.S.Y.

Em 2009 conclui o Doutorado em Ciências/Reprodução Assistida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com o estudo ‘Função Paterna e o Lugar do Pai no Tratamento de Reprodução Assistida”, com a orientação de Maria do Carmo Borges de Souza.

Sua contribuição para a formação do psicólogo e do profissional de saúde tem números muito expressivos. Em 1997, cria e exerce a coordenação do Curso de pós-graduação Lato Sensu de Especialização em Psicologia Hospitalar, na Fundação Mineira de Educação e Cultura - FUMEC, oferecendo, em Belo Horizonte, um campo importante para a formação de psicólogos na área hospitalar. Orientou 42 trabalhos entre teses de doutorado, mestrado e trabalhos de conclusão de curso de especialização. Organizou 61 eventos, a maior parte com temas ligados ao trabalho do psicólogo no contexto da saúde e do hospital.

Marisa tinha o dom da palavra, em suas conferências, sempre brilhantes, nos presenteava com a transmissão de seus sólidos conhecimentos e experiência clínica. Tanto que participou como palestrante e conferencista de 260 eventos!

Marisa Decat de Moura foi também a idealizadora da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, a SBPH e preparou todo o processo da sua fundação , tendo convidado a Dra Bellkiss Wilma Romano para ser a sua primeira presidente. Em 1997, organiza uma assembleia que se realizou em 4 de junho daquele ano, no Centro de Estudos do Hospital Mater Dei, com a presença de 45 profissionais que atuavam em hospitais de todo o Brasil , fundando a SBPH , em Minas Gerais , com sede em Belo Horizonte. Marisa assumiu a presidência na diretoria do biênio seguinte, 1999 a 2001. E, desde então continuou seu trabalho junto à SBPH como membro permanente do Conselho Consultivo. Além disso, foi Presidente do IX Congresso da SBPH, que se realizou em 2013, em Belo Horizonte, com o tema “Desafios contemporâneos da Psicologia Hospitalar: Teoria e Prática” , quando era presidente da SBPH, Elaine M.C. Zanolla Dias de Souza.

Podemos dizer que desde a sua idealização trabalhou dedicada , incansável e apaixonadamente para a SBPH. E também, que este trabalho foi muito profícuo. Hoje a SBPH, com 21 anos, tem um papel importante na história, no desenvolvimento e expansão da psicologia hospitalar e sua importância como especialidade na psicologia brasileira.

Como presidente da diretoria atual da SBPH, sinto que aumenta a minha responsabilidade de trabalhar e convocar meus colegas de diretoria, os sócios e os psicólogos , para continuar o processo de consolidação da vocação e levar adiante a missão da SBPH iniciada tão magnificamente por Marisa, que é a de promover e desenvolver a psicologia hospitalar nos seus vários aspectos.

Sempre serão necessárias muitas palavras para falar da nossa querida Marisa Decat de Moura!

 

foto gloria perez artigo
Glória Heloise Perez                                
Diretora Presidente
Gestão 2017-2019
Psicóloga | CRP 06/1963